Monthly Archives: dezembro 2016

Campomanesia aurea

By   dezembro 31, 2016

Campomanesia aurea O. Berg

Nome popular: guabirobinha-do-campo

Partes usadas: frutos e folhas

Usos populares: comestível, emagrecer

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

 

Aloe vera

By   dezembro 30, 2016

Aloe vera L. Burm. F.

Nome popular: babosa-verdadeira

Parte usada: folhas

Usos populares: purgante (antraquinonas), cicatrizante (polissacarídeos), ferimentos, queimaduras, alergias, tumores, digestiva, úlceras, varizes, contusões, hemorroidas, cabelo

Tóxica, de preferência não usar internamente, se for o caso, é necessário descascar a folha, utilizar somente a parte interna transparente (“gel”, na verdade é o parênquima aquífero). Uso por longos períodos e em grandes quantidades pode causar hemorragias intestinais e infecções renais (nefrite). Imprópria para gestantes e crianças.

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

 

Camptotheca acuminata

By   dezembro 29, 2016

Camptotheca acuminata Decne.

Apresenta atividade antibiótica, antitumoral e antiviral.

(Farmacognosia: da planta ao medicamento / organizado por Cláudia Maria Oliveira Simões; Miguel Pedro Guerra… [et al.]. – 5.ed. rev. ampl.. primeira reimpressão – Porto Alegre/Florianópolis : Editora da UFRGS / Editora da UFSC, 2004.)

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

 

Adonis vernalis

By   dezembro 28, 2016

Adonis vernalis L.

Nomes populares: adônis, adonis-da-primavera, yellow adonis, false hellebore, ox-eye, peasant’s eye, spring pheasant’s eye, botón de oro, adonis, adonide primaverile, eléboro falso, ojo de perdiz

Parte utilizada: parte aérea

Uso popular: cardiotônico, sedativo, vasodilatador, vermífugo, emenagogo. Utilizado em casos de epilepsia, pericardite, endocardite e miocardite crônicas, insuficiência cardíaca congestiva, contrações prematuras do músculo cardíaco, taquicardia, arritmia, tosse asma, cãibras e de dor reumática.

 Existem diversas preparações fitoterápicas no Brasil com Adonis vernalis isolada ou em combinações. Estes fitoterápicos são indicados como tranquilizantes, sedativos, ansiolíticos e hipnóticos.

Pessoas com gastrite e úlcera gastroduodenal devem utilizar com muito cuidado. É contra indicada por quem utiliza heterosídeos cardiotônicos, quinidina, laxantes antraquinônicos ou diuréticos tiazídicos.

Seus principais constituintes químicos são flavonoides (adonivernitina), ácidos orgânicos, cimarósido, adonitoxósido, sais minerais, glucosídeos e glicosídeos cardioativos (cardenolídeos, sendo adonitoxina o principal).

Apesar do uso de Adonis vernalis e suas preparações em produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes foi proibido pela ANVISA na RDC Nº 48, de 16 de março de 2006, esta espécie foi registrada como fitoterápico associado e é um dos medicamentos mais utilizados em homeopatia. 

Em caso de superdosagem, Adonis vernalis pode causar alterações do trato gastrointestinal como náusea, vômito e diarréia.

Adonis vernalis apresenta mecanismo de ação semelhante ao da Convalaria majalis.

Adonis vernalis não apresentou efeitos tóxicos quando administrada por via oral em ratas Wistar, incluindo gestação e lactação, em ratos Wistar e em coelhos Nova Zelândia.

Obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

(Fitoterapia – Fitofármacos, Farmacologia e Aplicações Clínicas. 2ed. 2006).
(Portal ANVISA).
(Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Ana C. B. Carvalho, Evelin E. Balbino, Artur Maciel e João P. S. Perfeito. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 2, 2008).
(Anexo 1 da Farmacopéia Homeopática Brasileira, 2ª edição, Parte 1, Métodos Gerais).
(Toxicidade Pré-Clínica de Fitoterápico Contendo Passiflora alata, Erythrina mulungu, Leptolobium elegans e Adonis vernalis. Fernanda Bastos de Mello, Augusto Langeloh e João Roberto Braga de Mello. Latin American Journal of Pharmacy, v. 26, n. 2, p. 191-200, 2007).

 

 

Achyrocline satureioides

By   dezembro 27, 2016

Achyrocline satureoides (Lam.) DC.

Nomes populares: marcela, macela

Parte usada: inflorescências

Usos populares: estômago, antiinflamatória, antibacteriana, cólicas (antiespasmódica), dores, hipotensora, sedativa, colesterol, hipoglicêmica, diarréias,  antiagregante plaquetária, asma (travesseiro), distúrbios gastrintestinais como úlcera gástrica e dispepsia.

É uma espécie que pode ser cultivada em áreas degradadas e descobertas em pleno sol, solo ácido e pobre em fertilidade. 

As sementes não devem ser cobertas com terra. A colheita das flores é feita a partir do sexto mês, em floração plena e de apenas uma vez com 70-80% das flores desabrochadas.

Os flavonoides quercetina, luteolina e 3-O-metilquercetina isolados dos extratos aquoso e hidroetanólico das inflorescências de A. satureoides demonstraram atividade antiinflamatória no modelo de pata de rato induzido por carragenina.

Apresenta potencial antioxidante frente ao LDL humano na parece arterial através da inibição de apoB e da redução da produção de TBARS.

O extrato alcoólico na concetraçäo apresenta efeito antagonista não-competitivo e irreversível sobre o efeito contrátil induzido por noradrenalina e cloreto de bário, no ducto deferente de rato, in vitro, e reduz a afinidade e a responsividade relativa de noradrenalina.

 

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

(Farmacognosia da planta ao medicamento. 6 edição. Organização: Cláudia Maria Oliveira Simões, Eloir Paulo Schenkel, Grace Gosmann, João Carlos Palazzo de Mello, Lilian Auler Mentz e Pedro Ros Petrovick. Editoras UFRGS e UFSC, 2010).

(Three different pathways for human LDLoxidation are inhibited in vitro by water extracts of the medicinal herb Achyrocline satureoides. A. Gugliucci e T. Menini. Life Sciences, v. 71, n. 6, p. 693-705, 2002).
(Atividade anti-espasmódica do extrato alcoólico de Marcela (Achyrocline satureoides (Lam) D.C.): compositae sobre a musculatura lisa genital de ratos. Langeloh, Augusto; Schenkel, Eloir Paulo. Apresentado no Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil, 1982).
(Antiulcer effects of Achyrocline satureoides (Lam.) DC (Asteraceae) (Marcela), a folk medicine plant, in different experimental models. José Roberto Santin, Marivane Lemos, Luiz Carlos Klein Júnior, Rivaldo Niero, Sérgio Faloni de Andrade. Journal of Ethnopharmacology, v.130, n. 2, p. 334-339, 2010).

Aloysia citriodora

By   dezembro 27, 2016

Aloysia citriodora Paláu

Nomes populares: erva-cidreira, erva-luiza, erva-luígia, cidró, cidreira-pessegueiro

Parte usada: folhas

Usos populares: calmante, cólicas, nervos, coração, baixar a pressão, baixar a febre, curar hemorróidas

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!