Tag Archives: Feridas

Alternanthera dentata

By   janeiro 26, 2017

Alternanthera dentata (Moench) Stuchlik ex R. E. Fr.

Nomes populares: penicilina, terramicina, ornamental

Parte usada: folhas

Usos populares: feridas externas, gripe, inflamação nos olhos

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

 

Baccharidastrum triplinervium

By   janeiro 23, 2017

Baccharidastrum triplinervium (Less.) Cabrera

Nome popular: erva-santa

Parte usada: folhas

Uso popular: para lavar feridas

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

 

Baccharis punctulata

By   janeiro 18, 2017

Baccharis punctulata DC.

Nomes populares: erva-santa, mata-campo

Parte usada: folhas

Uso popular: para lavar feridas

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

 

Achillea millefolium

By   janeiro 9, 2017

Achillea millefolium L.

Nomes populares: aquiléia, mil-em-rama, pronto-alívio, anador, erva-da-pontada, mil-folhas, yarrow

Partes utilizadas: folhas e inflorescências

Uso popular: analgésicafebrífuga, bactericida, antiflogística, menopausa, dor de cabeça, dor de dentes, dor de estômago, baixar a pressão (alcalóides), cólica menstrual, úlceras, feridasantiinflamatória (azulenos), reduz a menstruação, cistite, hemorragias, distúrbios gastrointestinais e hepato-biliares.

Uso comprovado: em um estudo realizado por Cavalcanti et al, o extrato aquoso das partes aéreas protegeu a mucosa gástrica de lesões gástricas agudas provocadas por etanol e indometacina e lesões gástricas crônicas induzidas por ácido acético (o estudo foi feito com ratos Wistar fêmeas e machos).

Como é utilizada: na forma de infusão.

Tóxica, uso interno com cautela. Presença de tujona. Em altas doses pode provocar vertigens e dores de cabeça. Em pessoas alérgicas pode causar dermatites de contato (encontrado nos registros do Jardim Botânico da UFSM). Porém, os resultados de Cavalcanti et al mostram que o tratamento de úlceras com as partes aéreas de A. millefolium não resulta em toxicidade durante exposição prolongada (o estudo foi feito com ratos Wistar fêmeas e machos).

A. millefolium é uma planta de origem mediterrânea e foi introduzida no Brasil durante o período da colonização e propaga-se através de estaquia de raízes.

Bisabolol foi isolado de A. millefolium.

 

Muito obrigado pela visita!

Se você quer receber as atualizações do site no seu e-mail, cadastre-se na Newsletter utilizando o formulário da barra lateral!

Se você quiser acompanhar as atualizações pelo Facebook / Twitter, curta / siga os perfis que estão na barra lateral!

(Contributo para o estudo etnobotânico das plantas medicinais e aromáticas na área protegida da serra do açor. Joana Salomé Camejo Rodrigues. Instituto da Conservação da Natureza, 2002).

(Safety and antiulcer efficacy studies of Achillea millefolium L. after chronic tretment in Wistar rats. Ana Maria Cavalcanti, Cristiane Hatsuko Baggio, Cristina Setim Freitas, Lia Rieck, Renato Silva de Sousa, José Eduardo Da Silva-Santos, Sonia Mesia-Vela, Maria consuelo Andrade Marques. Journal of Ethnopharmacology, v. 107, n. 2, p. 277-284, 2006).
(Achillea millefolium L. s.l. – Is the anti-inflammatory activity mediated by protease inhibition?. Birgit Benedek, Brigitte Kopp, Matthias F. Melzig. Journal of Ethnopharmacology, v. 113, n. 2, p. 312-317, 2007). 
(Farmacognosia da planta ao medicamento. 6 edição. Organização: Cláudia Maria Oliveira Simões, Eloir Paulo Schenkel, Grace Gosmann, João Carlos Palazzo de Mello, Lilian Auler Mentz e Pedro Ros Petrovick. Editoras UFRGS e UFSC, 2010).